sábado, 29 de março de 2008




MUNDO CÂNON


deixa que teus braços
me recolha
por entre o frio
que deste mundo expulso

deixa que essa brisa
do podre
me inunde

e que como pérolas
espalhe furor e língua infame

deixa
que por entre o seu olhar
eu vague
como um papel cingido
de embrulhos e medos

deixa
que por mais que me queiras
eu sou da rua nua
onde dejetos
e defeitos
disputam
o sangue que escorre
por entre vidraças
e bueiros

e mesmo assim
abandonado por ti
serei
como um lixo
amealhando
por dentro do sol que me destes
a beleza
de uma boca faminta.

Cgurgel

2 comentários:

Emanuel Carvalho disse...

por entre o frio...
como um lixo...
espalhe furor e língua infame...
a beleza
de uma boca faminta.


Sempre acompanhei seus trabalhos na imprensa do RN.Admiro muito as colocações nas palavras.Parabén irmão!

Gabibis disse...

Posso dizer que gostei da musicalidade das suas palavras.
Volto com mais calma, prometo.