sexta-feira, 7 de março de 2008




ETERNAMENTE REJANE

Em companhia do acariense Francisco Cunha, recentemente visitou Acari o produtor cinematográfico Valério Fonseca. A missão tornou-se um elo entre o fictício e o real. O desejo tornara mais pulsante com o deslumbramento que contagiou o produtor ao visitar a cidade natal da atriz Rejane Medeiros. A fascinação pela terra de nascimento da atriz fez com que a idéia inicial de produzir um filme sobre a vida artística de Rejane Medeiros tornasse cada vez mais verdadeira, possível e positiva. A idéia de promover um filme surgiu em Roma, quando da conversa entre a atriz e o produtor Valério Fonseca.
O produtor cinematográfico Valério Medeiros chegou ansioso, sem roteiro pré-estabelecido em Acari. Mas, em companhia do acariense Chico Acari logo assumiu uma agenda quase que impossível. Primeiramente, visitaram o Museu do Sertanejo e constataram que em Acari a cultura é valorizada com a preservação do patrimônio material e imaterial do homem sertanejo. No momento, houve o encontro com o secretário de Turismo Sérgio Enilton e a coordenadora pedagógica do Museu, Maria da Guia de Medeiros. Logo após, visitaram a Rádio FM Gargalheiras, concedendo entrevista ao radialista Benildo Medeiros.
Em seguida, foram à procura dos familiares da atriz e assim comprovaram que Rejane Medeiros nasceu em Acari, filha de Severino Barroso e Izabel Medeiros. Sua família morou muitos anos na rua da Matriz e deixou inúmeros laços familiares na cidade, incluindo sua prima Olindina Silva que desempenhou suas funções profissionais no DNOCS.
O fato constata e reconhece que Acari é uma cidade de vocação cinematográfica com o surgimento de mais um filme a ser rodado nos cenários da terra das cordilheiras, aliada a importância da produção do filme se tornar imprescindível, em conseqüência de Rejane Medeiros ser, realmente, da cidade seridoense.
Rejane Medeiros é um caso ilustrativo de atrizes que direcionaram a carreira com exclusividade para o cinema. Belíssima, ela desenvolveu uma trajetória de cerca de uma dezena de filmes, realizados entre a década de 60 e o início dos anos 80.
Rejane Medeiros estreou no cinema ainda adolescente pelas mãos de Roberto Farias, no filme `Selva Trágica`, em 1963, um dos pontos altos da filmografia do diretor. A seguir, participa de dois filmes sobre o tema do cangaço e entra na década de 70 atuando em filmes de diretores como Marcos Farias, Miguel Faria Jr, período em que teria mais presença no cinema nacional. É nessa década também que participa de `A Noite do Espantalho`, filme pouco visto e muito comentado, dirigido pelo músico Sérgio Ricardo, um dos parceiros do cinema de Glauber Rocha.
Em 1974, Rejane Medeiros tem outro momento de destaque em `Soledade – A Bagaceira´, adaptação para o cinema do romance de José Américo de Almeida, dirigida por Paulo Thiago. A atriz tenta carreira na Itália, sem maiores repercussões, onde interpreta Anita Garibaldi em trabalho para a tv, dirigido por Franco Rossi. Seu último filme no cinema nacional é `O Torturador`, de Antonio Calmon.

Filmografia:

1980 - O Torturador
1977 - Anchieta, José do Brasil
1976 - Soledade
1974 - Anita Garibaldi
1974 - Noite do Espantalho
1972 - Guru das Sete Cidades
1970 - A Vingança Dos Doze
1970 - Pecado Mortal
1970 - Sangue Quente em Tarde Fria
1969 - Tarzan e o Menino da Selva
1969 - Meu Nome é Lampião
1965 - Entre Amor e O Cangaço
1964 - Selva Trágica

3 comentários:

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

Um blog falando de Rejane, isso é ESPETACULAR!
Esse lugar, Acari, seria onde? Sou de N. Iguaçu e Acari que ouço falar é um subúrbio do Rio, mas no caso, percebi que deve ser no nordeste, poderia me esclarecer?
Desculpe, se sou inconveniente, mas a inesquecível atriz foi (ou é?) casada com o músico Egberto Gismont, não? A acompanhei em aluns poucos programas onde foi entrevistada e, infelizmente, a perdi de vista...
Excelente!Bjssss
(vai para os favoritos)

Lucia disse...

Onde anda seu irmão Reinaldo Medeiros?

Lucia disse...

Onde anda seu irmão Reinaldo Medeiros?