segunda-feira, 27 de outubro de 2008




vagueio pelo rio que me banha
ele me abocanha

velejo pelo rio que me cobre
ele me acompanha

navego pelo rio que me despe
ele me estranha.

Cgurgel

Um comentário:

Vitão disse...

um rio que nasce dum cálice
que a mim sagrado parece
corre tortuoso e padece
no delta da eternidade


um grande abraço C. Gurgel